Rolê de dois dias em Brasília DF

CAPA

Primeiramente devo ressaltar que quebrei um grande tabu nessa pequena viagem de final de semana. Comprei a passagem de ida pela LATAM e a volta pela AVIANCA e ficou mais barato do que comprar ida e volta pela mesma companhia área, coisa que eu achei que era impossível de acontecer. Eu sempre uso o site Momondo pra fazer as buscas e por lá que eu encontrei esse frankstein de passagem que deu certo.

Segundamente, Brasília entrou sem querer no meu roteiro turístico desse ano pois meu irmão foi morar lá e aproveitei pra ir conhecer, mas fiquei bem surpresa tanto com o rolê turístico quanto com a comilança de master qualidade que fizemos. Gostei bastante, embora a cidade seja esquisitíssima hahaha (os nativos que me desculpem, mas nem parece que a gente tá no Brasil direito).

Terceiramente, devo ter engordado uns 1285kg em dois dias. Brasília é muito bom pra comer, meu pai amado.

Como eu cheguei em uma sexta feira à noite e a volta estava marcada para domingo, eu tinha pouco tempo e precisávamos ser certeiros. Então vamo que vamo que a correria ia ser pesada, eu só não imaginava que ia ser tanto.

feira-da-torre-01

Feira da Torre, vista de cima da torre.

Depois de tomar um café da manhã bem gostosinho e com preço consideravelmente acessível (ou seja, não me cobraram os rins como na maioria dos outros lugares) na Padaria Pão Dourado,  fomos encontrar dois amigos na Feira da Torre, que é uma feira de artesanato, vestuário, acessórios e afins. Cara, a feira é gigante (como dá pra ver na foto) e tem muita coisa. Como fomos no sábado não estava tão lotada (sorte) e deu pra olhar com bastante calma. Acabei comprando um presentinho pro marido, um tsuru lindíssimo feito de pedra, imitando origami e me apaixonei numa bolsa de tecido estampado de andorinhas e detalhes em couro, que paguei módicos R$68, por sinal, lindíssimas as bolsas desse box #merchan. No mais, tive a surpresa de me deparar com um cupuaçu pessoalmente pela primeira vez na vida. E no meio da feira, pessoas das mais diversas idades e estilos juntaram-se para fazer um chorinho, com vários instrumentos musicais, achei muito legal. Adoro esses rolês-artísticos-de-feira, gostei muito desse lugar.

Pronto, eu já tinha comprado coisas e já estava típica turistona cheia das sacolas. Aproveitamos para subir na torre, já que a fila estava pequena e reza a lenda, ela chega a ficar gigante e “dar voltas”.

feira-da-torre-07

Torre de TV de Brasília: 230 metros de altura

Não se paga nada para subir e tem elevador (ufa), a vista lá de cima vale a pena apesar da ventania. Logo em frente à essa torre fica o letreiro grandão “I ❤ Brasília” onde certamente dá pra tirar uma fotinho legal dividindo o letreiro com vários estranhos.

Por causa do tempo seco a grama não estava verdinha, mas pelo menos o céu estava azulão que só, muito lindo 🙂

Não muito distante dali, estava rolando uma exposição chamada “O essencial é invisível aos olhos” no Centro Cultural da Caixa. A descrição da sinopse, como sendo uma experiência extra sensorial chamou bastante a nossa atenção e, por ser de graça, achamos que valia a pena ver qual é. Não fazíamos a menor ideia do que estava por vir…

centro-cultural-caixa-01

Centro Cultural da Caixa, vale a pena ver a programação

Ao chegarmos lá, descobrimos que o esquema era uma experiência de realidade virtual inspirada na floresta amazônica, desenvolvida por dois artistas que misturam arte com tecnologia. Você colocava um óculos que te proporcionava uma imersão absoluta em na floresta, podendo interagir com o ambiente e com os personagens que apareciam. Eu tive muita dificuldade em sair do lugar e fazer as coisas hahaha, já o Rodrigo teve a melhor experiência, sentando com os índios no chão, tocando tambor com eles e até sentindo cheiros (?) que não sei se estavam na programação.

Gente, passei muito mal, sério. Me deu uma tontura e um mal estar. E não fui só eu não, a experiência foi muito surreal mas todo mundo ficou meio enjoado. Por alguns momentos enquanto eu estava com o óculos, eu quase caí de verdade.

pontao-lago-sul-01

Pontão do Lago Sul

Ainda meio tontos e esquisitos daquela experiência maluca e totalmente inesperada, fomos dar um rolê mais light, no Pontão do Lago Sul. Eu queria muito fazer o passeio de lancha (R$35 por pessoa/50 minutos) mas eu ainda não estava bem o suficiente e achei melhor não arriscar haha. Almoçamos por lá mesmo e ficamos curtindo um tempo a vista para o lago. Algumas pessoas praticavam stand up paddle (dá pra alugar na hora se quiser), outras faziam ensaio fotográfico aproveitando o cenário. Bem gostoso mesmo.

Ainda demos um pulo em Águas Claras que é um distrito de Brasília que incrivelmente não possui casas, só prédios! Como Brasília é uma cidade com o custo de vida elevadíssimo, algumas pessoas preferem morar lá e assim conseguir alugar um apartamento maior para ter mais qualidade de vida. É bem pertinho e tem um centrinho comercial bem bonitinho.

#Rolê no Eixo Monumental

Deixamos para domingo o rolê turístico obrigatório, no Eixo Monumental. Uma dica: combine um preço fixo com um Uber pra ele te levar nos principais lugares, e dar aquela esperadinha esperta no carro, pra que você não tenha que ficar toda hora chamando outro carro diferente. Primeira parada: Museu JK.

museu-JK-01

Monumento e Museu JK

Esse museu é bem legal e custa a bagatela de R$10 pra entrar. Tem objetos pessoais do ex presidente Juscelino Kubitschek e conta um pouco da história e projeção da capital do país. É um museu bem bonito e moderno, não é muito grande e dá pra visitá-lo em até 1h (isso olhando com bastante calma). Eu acho que vale a pena entrar. Em frente à ele, tem a estátua do ex presidente e esposa, sentados em um banco, onde todo mundo senta pra tirar uns selfies obviamente. Até os restos mortais do ex presidente estão lá dentro, numa câmara escura meio sinistra.

Logo após, próximo ao museu, tem a Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, onde estava rolando uma missa. Entrei e dei uma rápida olhada para não atrapalhar as pessoas que estavam lá para assistir à celebração.

Os vitrais, vistos de lá de dentro com a iluminação do sol, dão um tom bem bonito pro lugar que é todo branco. Pra quem é religioso ou se interessa pelo tema, acho que vale assistir a uma missa.

Bem perto, tipo na próxima quadra (lembrando que as quadras de Brasília são gigantes), fica o Museu Nacional.

museu-nacional-01

Museu Nacional, rolam exposições lá

A entrada no museu é franca e estava tendo apenas uma exposição lá dentro. Uma exposição contemporânea que era algo sobre protestos, anarquismo e corpos nus haha. Algumas fotografias de pessoas peladas na parede e obras de arte que gerariam bons momentos de discussão política – ou não. Nos arredores do museu, com tudo aquilo de calçada sobrando, alguns skatistas já começavam a se reunir pra fazerem suas manobras. Bem em frente ao museu, fica a Biblioteca Nacional (que é bem na frente mesmo), que também possui visitação aberta inclusive com horários marcados para visitas guiadas.

Bem, não é raro ir pra Brasília e dar de cara com um protesto rolando em frente ao Congresso Nacional não é mesmo? Pois é, dei a ~sorte~ de pegar um acontecendo lá, três pessoas gritando ao vento e pedindo Intervenção Militar já.

congresso-nacional-03

Congresso Nacional: tinha um gol 1 000 estacionado na vaga do presidente haha

No Congresso existem visitações que acontecem a cada meia hora pra poder conhecer por dentro e você pode até mandar um cartão postal pra alguém se quiser, de lá. Não pude fazer o tour – embora quisesse – por falta de tempo, eu acho que vale a pena fazê-lo.

É de graça e é só agendar lá mesmo, direto na entrada. E você ainda pode olhar as vagas marcadas das personalidades políticas do país, e descobrir que a vaga do nosso presidente é a número 1 e na situação, tinha um gol sujo estacionado. Quem seria o folgado que estaciona assim na vaga do presidente?

Logo atrás do Congresso, fica a Praça dos Três Poderes. Tem também um lugar no subterrâneo, bem no meio da praça chamado Espaço Lúcio Costa, um pequeno lugar que homenageia o homem que planejou a cidade de Brasília. A entrada é franca e tem um negócio legal lá dentro, uma maquete da cidade inteirinha, quase do tamanho do salão e também os desenhos originais do planejamento da cidade. E também tem banheiros, o que é ótimo pra quem, nessa altura está precisando dar uma aliviada hehe.

Espaço-Lucio-Costa

Espaço Lúcio Costa

Em volta dessa praça ficam o Supremo Tribunal Federal e o Palácio do Planalto. E também a estátua dos Candangos, aquela escultura famosa que homenageia os trabalhadores nordestinos que construíram Brasília. Essa praça é bacana, tem bastante coisa pra olhar. E a bandeira do Brasil hasteada, imponente ao vento, fazendo a gente se sentir um pouquinho mais patriota.

Saindo um pouco do Eixo Monumental, tem o Palácio do Jaburu e também o Palácio da Alvorada, são bem próximos um do outro. Como o Palácio do Jaburu é a residência oficial do presidente em exercício, não tem como ir até lá, é só um portãozão cheio de seguranças e paparazzis e não dá pra ver nada hehe.

Um pouco mais distante de tudo isso, está o Centro Cultural do Banco do Brasil, um lugar que é uma mistura de parque, área verde, lugar para exposições, cinema e teatro e também museu com a história do Banco do Brasil.

centro-cultural-BB-01

Algumas pessoas faziam fila pra entrar na sessão de cinema que ia acontecer (filme infantil), enquanto outras curtiam um pique nique no gramado. Nós visitamos a exposição permanente com os fatos históricos sobre o Brasil e a história do Banco (fiquei chocada com informações do tipo “em 1969 o BB começou a contratar mulheres). Também fomos no salão onde havia uma exposição de uma fotógrafa, com retratos tirados nos anos 70 e 80, retratando muito da cultura afro no Brasil.

No CCBB, o rolê é mais família. Tem um redário, parquinho e bastante atividades para crianças, inclusive estava rolando um grupo fazendo contação de histórias com música, bem legalzinho.

O gramadão tem uma vista linda para a ponte JK, outra obra de arte e ponto turístico da capital, que pode ser vista de vários pontos.

Infelizmente nosso tempo ficou curto e não deu tempo de ir num lugar que eu queria ter conhecido, a Ermida Dom Bosco. Dizem que é bem gostoso assistir ao pôr do sol ali, de frente para o lago, no maior clima good vibes haha.

Leia o post sobre o mini-rolê gastronômico que fizemos em Brasília.

E deu certo? Deu sim, o fim de semana foi corrido e algumas coisas ainda ficaram pendentes para uma próxima vez. O fato de estar com amigos que moram lá fez a experiência ser ainda melhor. Gostei muito de conhecer melhor a capital do meu país.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s